Resenha crítica - Drácula de Bram Stocker

8:15:00 AM

Título original: Dracula
Ano: 1897
Autor: Bram Stoker

Drácula (Dracula) é um romance de 1897 escrito pelo autor irlandês Bram Stoker, tendo como protagonista o vampiro Conde Drácula. Um dos mais famosos contos de vampiros da literatura mundial e fonte de inspiração para inúmeros outros romances que se seguiram.

"Drácula tem sido designado como vários gêneros literários, incluindo literatura de vampiros, ficção de horror e romance gótico. Estruturalmente, é um romance epistolar, ou seja, contada como uma série de cartas, entradas de diário, registros de bordo etc. Embora Stoker não tenha inventado o vampiro, a influência do romance na popularidade dos vampiros foi singularmente responsável por muitas peças de teatro, cinema, televisão e muitas interpretações ao longo dos séculos XX e XXI."



A história abre com a chegada de Jonathan Harker a um castelo em uma remota zona da Transilvânia, na Romênia. No castelo Harker conhece o excêntrico proprietário, o conde Drácula, em decorrência de negócios e aquisições de várias propriedades na Inglaterra.
Aos poucos Harker começa a perceber que há mais do que excentricidade naquela figura, há algo de estranho no anfitrião, algo de realmente assustador e tenebroso. Passada a inicial hospitalidade, Harker começa a entender que, mais do que um hóspede, é também um prisioneiro do conde Drácula.

Com diversas adaptações para cinema e teatro (Nosferatus, Dracula - de Francis Ford Copolla) e outros romances, Drácula se tornou uma figura do imaginário popular, impulsionado pela obra de Bram Stoker, na época alardeado pela crítica se tornando um bestseller imediatamente à sua publicação.
O romance influencia a cultura pop de hoje em dia assim como influenciou os leitores contemporâneos vitorianos da época em que foi escrito.

Drácula é hoje uma criatura de vida própria e com forte instinto de auto preservação, sempre se renovando para se encaixar na cultura atual e se misturando às lendas que são criadas depois dele. Seja no cinema, no teatro, nos livros, na imaginação da população, ele sempre esta lá. Se reinventando, se adaptando, se encaixando no mundo e nunca perdendo força.


A leitura do romance não é fácil e fluída por se tratar de uma linguagem rebuscada e própria de romances do século XIX. A sequencia narrativa é construída através de cartas, documentos e páginas de diários. Tudo escrito em primeira pessoa e contando a história do ponto de vista de vários personagens. Muitos leitores irão notar semelhança com outra obra que também marcou época. Frankenstein de Mary Shelley, escrita quase um século antes de Drácula (1816-1817). A estrutura narrativa é parecida, em forma de diário e cartas do ponto de vista de um certo personagem, com sua linguagem própria da época e tratamentos.
Muitas vezes, no entanto, o leitor de hoje em dia pode achar que o romance é uma obra de museu e que a história já está ultrapassada e desgastada pelo tempo. Alias quem não suspeitaria, de cara, de um vampiro quando duas marcas peculiares aparecessem em seu pescoço e se sua pele estivesse terrivelmente pálida? ou que alho é a melhor forma de combater a criatura? Mas há de se convier que ela foi escrita em 1897, onde as lendas ao redor da personagem ainda eram fracas e suas principais características ainda eram desconhecidas. Hoje tudo isso pode já estar ultrapassado, mas na época em que foi escrito, não.
Portanto a leitura de Drácula não deve ser feita com o intuito de querer saber mais sobre o ícone, mas sim como isso tudo começou e de onde veio a lenda. A leitura de Drácula é um estudo histórico e merece ser tratada como tal. Leia e aproveite.

Comente...


Você também vai gostar de...

1 comments

  1. ¡Ninguna adaptación le llegará al libro! En general me parece que la historia de Drácula es maravillosa es uno de los clásicos de la literatura, sin embargo hay muchas versiones que para bien o para mal han logrado atraer la atención del público, cada una con sus puntos a favor y en contra, al final del día es cuestión de ser tolerante y quedarte con la versión que más te guste.

    ReplyDelete

Deixe aqui seu comentário e, se quiser, assine nosso Feed para receber as publicações do "The Reader" em seu e-mail.