Resenha crítica - Conto - O Nevoeiro

9:36:00 PM

Nome Original: The Mist
Autor: Stephen King
Ano: 1980

O Nevoeiro (The Mist) é um conto do autor estadunidense Stephen King originalmente publicado no livro "Dark Forces", uma coletânea de contos, em 1980 e editado por Kirby McCauley. Mais tarde o conto fez parte da coletânea de contos “Tripulação de Esqueletos” de Stephen King, sendo o conto mais longo da publicação.

"Depois de uma terrível tempestade na cidade de Bridgton, Maine, uma estranha névoa encobre uma pequena cidade. Criaturas sinistras ocultas no nevoeiro começam então a atacar as pessoas que saem nas ruas, enquanto um grupo, incluindo David Drayton, um artista local,  e seu filho, fica preso em um supermercado e não pode sair do estabelecimento temendo ser atacado pelas cristuras. A partir de então, começa uma luta sangrenta pela sobrevivência."
Stephen King conduz muito bem a história com doses certas de terror e suspense.  Contada do ponto de vista de David Drayton, marido e pai de um filho, uma pessoa comum que vive seu cotidiano até que a forte tempestade devasta a pequena cidade em que ele viva com sua família no Maine.

David não é um herói, não tem super-habilidades ou intensivo treinamento, e assim são todas as pessoas que se vêem presas dentro daquele supermercado cercado por uma névoa antinatural e apinhada de criaturas desconhecidas e extremamente perigosas.

O verdadeiro mérito de "O Nevoeiro" é desenvolver a tensão e o caos que cresce quando pessoas estão confinadas e desorientadas em busca de respostas que sabem não terão. O mundo fora do supermercado é outro agora e não há esperança, a menos que alguns tenham a coragem (ou loucura) de saírem e tentarem a sorte do lado de fora.

King analisa como a mente humana reage em momentos extremos e sem regras, e quais seus mecanismos de escape, ilustrado nesse conto como a entrega de alguns personagens à crenças obsessivas instigados por certo personagem. É interessante observar que, enquanto o mundo do lado de fora se torna selvagem e mortal, os verdadeiros inimigos estão do lado de dentro, onde a ausência de regras e a falta de recursos devolve força ao instinto de sobrevivência de cada um.

Mas se por um lado a história prende o leitor e o mergulha em um universo sem perspectivas positivas, por outro ele peca ao ser uma história com pouco enfoque nas origens do nevoeiro e das criaturas, que é tratado brevemente e a qual é dado pouco importância. É certo dizer que essa é uma das características mais marcantes de Stephen King, que não se preocupa em explicar em detalhes certos elementos de suas histórias, deixando assim o leitor ainda mais no escuro e favorecendo o suspense crescente de suas histórias, mas para alguns leitores isso acaba sendo um pouco frustante, principalmente para aqueles têm uma curiosidade latente e sempre querem saber mais do que o escritor lhes informa.

O Nevoeiro também poderia haver merecido, assim como um dos principais romances de King, "A Dança da Morte", uma versão ampliada e revista. O conto publicado na coletânea "Tripulação de Esqueletos" tem 133 páginas. É o maior conto do livro, mas mesmo assim poderia ter mais páginas e uma história mais detalhada e, por consequência, ainda mais densa e terrível.

Por fim, assim como todas as demais obras de King, O Nevoeiro, é uma obra de peso e bem sucedida. Aborda uma gama de situações limite e mantem o suspense em altos níveis todo o tempo em que o leitor mantem os olhos grudados em suas páginas. 

É considerados um dos melhores contos do escritor e ganhou uma adaptação para o cinema em 2007 pelas mãos do diretor Frank Darabont. Vale a pena ver.

Comente...


Você também vai gostar de...

0 comments

Deixe aqui seu comentário e, se quiser, assine nosso Feed para receber as publicações do "The Reader" em seu e-mail.